Depois de dois anos de adestramento, um grupo de cães foi capaz de acusar casos de queda dos níveis de glicose em diabéticos tipo 1. Os pesquisadores da Universidade de Bristol, no Reino Unido, entrevistaram diabéticos que contaram com o auxílio de cachorros treinados para detectar essas crises. Os voluntários relataram menos episódios de inconsciência e mais autonomia depois da chegada das mascotes.Segundo a pesquisa, o cão identifica a crise da seguinte forma: quando o nível de açúcar no sangue do dono do animal cai, o organismo libera hormônios que fazem suar. Misturado às bactérias presentes na pele, o suor produz um odor, reconhecido pelos animais. No caso de a glicose disparar, o hálito do diabético fica com cheiro de maçã madura. Ao identificar essas variações, o cão treinado late e pula, até que se tome uma providência.


Fonte: Abril